HISTÓRIA DA EBM ANITA GARIBALDI


PATRONA DA ESCOLA
HISTÓRA DA ESCOLA
APP
Anita Garibaldi (30/08/1821 a 04/08/1849), Ana Maria de Jesus Ribeiro. Mudou de nome e carimbou seu passaporte para a história aos 18 anos, quando abandonou seu primeiro marido, um sapateiro, para embarcar no navio comandado pelo revolucionário italiano Giuseppe Garibaldi.
No Brasil onde nasceu e combateu ao lado dos rebeldes republicanos na Revolução Farroupilha (1835 – 1845), é quase desconhecida. Tanto que só passou a existir no dia 11 de Maio de 1999. O cartório de Laguna (SC),  através da Câmara Municipal, que expediu um mandato de registro tardio. Documento que afirma que Ana Maria de Jesus Ribeiro nasceu em Laguna, em 30 de agosto de 1821. Ninguém sabe a data e o local estão corretos. Porque na época não existia certidão de nascimento e o chamado assento de batismo nunca foi encontrado.
Várias vezes lutou com armas de fogo. Salvou o filho recém nascido, partindo a galope seminua no meio da noite. Teve mais três filhos. Acompanhou muitas vitórias e derrotas de Garibaldi em batalhas e, mesmo sem lutar, cuidou de feridos e organizou hospitais. Conheceu reis e revolucionários. Foi perseguida até morrer.
Para alguns tinha ¨pele escura traços interessantes e delicada constituição física¨. Para outros ¨olhos ardentes e musculoso peito¨. Houve quem confundisse suas sardas com marcas de varíola.
O encontro de Giuseppe Garibaldi com Anita, que era sobrinha de um farroupilha, foi fulminante. Em sua autobiografia, Memorie di Garibaldi, o italiano não economizou pontos de exclamação: a mãe dos meus filhos! A mulher cuja coragem tantas vezes ambiciono...
Anita largou o sapateiro e seguiu a paixão numa perigosa viagem de lua-de-mel pela costa brasileira, atacaram embarcações e foram perseguidos pela Marinha Imperial. Já no primeiro combate, mostrou fibra, de carabina em punho.
Anita diversas vezes mostrou sangue-frio. Na batalha em que as tropas imperiais recuperaram Laguna, em novembro de 1839, teve comportamento heróico, só abandonando a luta no último momento, depois de resgatar o amante.
Giuseppe tentou manter Anita em casa enquanto lutava, mas foi impossível. Em 1848, ela foi com ele até Florença. E, fevereiro de 1849, repetiu a teimosia seguindo o marido até Rieti, perto de Roma. Só voltou para casa porque adoeceu.
Ela não desistia. Em junho de 1849, Garibaldi comandava a defesa da República de Roma contra os franceses. Um dia quando alguém batia a porta era Anita, grávida, que havia atravessado a região controlada pelos austríacos.
Os franceses saíram vitoriosos e Roma se rendeu. Garibaldi não aceitou a derrota e partiu em direção a Veneza, Anita foi junto, vestida de homem. Foi sua última viagem. As cavalgadas noturnas, a má alimentação e as noites ao relento minaram sua saúde. Ao chegar a República de São Marino, ardia em febre. Ainda assim continuou.
Em 1º de Agosto, ao chegarem ao litoral do Mar Adriático, desembarcaram numa praia deserta, ela foi carregada. Dois dias depois chegaram a uma fazenda em Mandriole, perto de Ravena, onde um médico os esperava. Tarde demais na noite de 4 de agosto de 1849, ao ser finalmente colocada numa cama Anita morreu, talvez de malária. Garibaldi ficou arrasado, não assistiu ao enterro. Saiu as pressas para escapar dos austríacos. O corpo da brasileira foi enterrado no cemitério de San Alberto, em Madriole. Em 1932, seus restos mortais ganharam um mausoléu em Roma. Lá continuam até hoje.
Anita Garibaldi foi uma Heroína em tudo, na paixão, na família e na guerra, um exemplo de catarinense, que não deve ser esquecida, mas sim, reverenciada por nós.

     Desde a Intentona Comunista de 1935, Getúlio Vargas mantém o país sob estado de guerra, com a suspensão dos direitos constitucionais e forte repressão policial. Com essa atitude, justificada como defesa da nação diante do ¨perigo vermelho¨(comunista). Vargas dificulta a campanha eleitoral para sua sucessão e ganha tempo a fim de avaliar a chance de um auto golpe para manter-se na Presidência. Aproveita-se do crescimento da tensão político-ideológica e militar na Europa, decorrente do confronto entre liberalismo, fascismo e comunismo, no período imediatamente anterior à II Guerra Mundial.

Em nome da segurança nacional são abolidos os partidos políticos, suspensos às eleições livres, os tribunais e os juízes independentes.

Inserida neste contexto social, a localidade de Ribeirão Itoupava, situada na zona norte do município de Blumenau, região totalmente agrícola  tinha como principal fonte de empregos e rendimentos a Cia. Jensen. Fundada em 1899, foi muitos anos referência nacional em produtos lacticínios e carnes. Parte de toda produção agrícola produzida na localidade de Ribeirão Itoupava era vendida para Cia. Jensen como, por exemplo, leite, porcos, frangos, etc.

Diante desta realidade surge a necessidade da instrução dos jovens. Assim relatamos a seguir o início da Escola Anita Garibaldi.

 Com intuito de cuidar e orientar a educação da juventude local, formando excelentes cidadãos da Pátria Brasileira, como também aprendizes de ensino agrícola, surge a Comunidade Escolar Itoupava II. De início a escola era de propriedade privada pertencendo, a alguns moradores da localidade.

A iniciativa da formação particular da Comunidade Escolar de Itoupava II, foi do Sr. Frederico Pagel (Fritz), com apoio dos demais moradores, especialmente do Sr. Jacob Litzenberger que montando um cavalo, visitou os moradores da localidade que se associaram a iniciativa e a realização dos objetivos propostos.

Para cumprir as exigências sociais como sócio da comunidade Escolar de Itoupava II, o associado deveria fazer uma doação (em dinheiro) ou ajudar na construção com mão-de-obra e material.

Em 24 de março de 1957 a Sociedade da Comunidade Escolar de Itoupava II foi dissolvida.

A responsabilidade da construção da escola coube ao genro de Bertha Pagel, Sr. Oscar Beck. Era de alvenaria, possuindo uma sala de aula, um quarto, uma cozinha, uma varanda nos fundos e sótão. Na construção da Escola, dentro de um pilar, foi colocada uma garrafa de cachaça e ao lado uma listagem dos sócios fundadores.

Dentro da sala de aula foi construído um palco, que era utilizado pelos músicos nos dias de festa e apresentações cênicas.

A festa anual da Escola tinha como objetivo obter fundos para pagamento de dívidas e sua manutenção.

Percebemos que a preocupação com o patriotismo, o respeito e as ordens pela Pátria estavam bem presentes. Notoriamente influenciadas pelo contexto social, e político em que atravessava o país e a própria cidade. Pois, em 1934 a população de Blumenau se mobiliza e protesta contra os decretos do interventor estadual Cel. Aristiliano Ramos, que desmembra os distritos de Blumenau.

Diante deste contexto em 07 janeiro de 1934, iniciam as aulas primeiramente na casa da viúva Bertha Pagel, sendo que em 20 de outubro do mesmo ano a construção da Escola ficou pronta e as aulas passaram a ser ministradas na escola.

O primeiro professor responsável pela escola foi Belmiro Amorim que permaneceu de 1934 a 1936.

Quando da ampliação desta escola por parte da Prefeitura Municipal, foi necessário demolir a Escola da Comunidade Escolar de Itoupava II. Nesta oportunidade a garrafa de cachaça foi encontrada junto ao pilar da Escola. A cachaça foi ingerida pelos presentes e a lista dos associados em conseqüência da demolição, desapareceu.

Durante o período de 1934 a 1965, a escola esteve sob a responsabilidade de professores e infelizmente poucos registros deste período foram encontrados.

 

Ano

 Professor

1934 a 1936

Belmiro Amorim

1936 a 1939

Rafael Vick

1939

Isolde Kaestner – A escola já era chamada “Anita Garibaldi”

1940

Regina Arcari

1941

Leonides H. Westard

1942

Acary Filgueiras

1943 a 1945

Rosa Luz da Silva

1946

Doraci Schmitt

1947 a 1952

Noêmia Luckt

1948

Ida G. Zimmermann, substituiu Noêmia de 15/03 a 15/06

1951

Ana Maria Naffien, substituiu Noêmia de 06/08 a 06/11

1953 a 1962

Lenir Peiter Starke

1954

Iracy Pereira, substituiu Lenir de 01/08 a 01/11

1958

Odílio José de Souza, substituiu Lenir de 15/09 a 15/12

1963

Lenyr Peiter Starke

Hannelore Liesenberg

1964

Lenyr Peiter Starke

Hannelore Liesenberg

Jacira Cristina Matias e Vergílio Severino Biz – substituíram no período de 04/04 a 15/12

1965

Konrad Liesenberg

Jacira Cristina Matias

Hannelore Liesenberg

Terezinha das Neves Biz

 

Desde sua fundação, a escola sofreu várias transformações:

 

·         Criada em 07/01/1934, com o nome de Escola Particular da Comunidade Escolar da Itoupava II

·         Pelo Decreto nº 24 de 07/07/1938, transformada em Escola Isolada Municipal

·         Pelo Decreto nº 590 de 23/03/66, transformada em Escola Reunida Municipal

·         Pelo Decreto nº 409 de 23/10/73, transformada em Escola Básica Municipal

 

Em 03 de junho de 1966, foi fundada a Associação de Pais e Professores da Escola.

No mesmo ano (01/03/66), assumiu o primeiro diretor da Escola, Senhor Konrad Liesenberg que permaneceu no cargo até 1991, quando se aposentou.

Logo no início da sua gestão, conseguiu implantar a 4ª série. Idealizou a primeira festa junina nesta escola, hoje considerada uma das maiores festas escolares do município.

Em 1970 implantou de 5ª a 8ª série, sendo uma das primeiras escolas municipais desta região a oferecer o curso de 1º grau completo.

Conseguiu autorização da prefeitura para instalação do Consultório Odontológico. A APP efetuou a construção e equipou, sendo um dos mais completos, tendo inclusive Raio X.

Influenciou na conscientização da diretoria da APP para a compra de mais terras, prevendo a necessidade futura.

Intermediou a desapropriação pela Prefeitura de um terreno de Anna Litzenberger com objetivo de construir um ginásio de esportes e do terreno de Gerson Litzenberger para construção de uma sede para APP.

Viabilizou junto a prefeitura e Mega Transformadores a canalização do esgoto que passa nos fundos do terreno da escola.

Incentivou o esporte, especialmente o tênis de mesa, onde os alunos participaram com destaque no Campeonato Regional, conquistando o tri-campeonato. No Campeonato Catarinense e Brasileiro os alunos destacaram-se nos primeiros, segundos e terceiros lugares.

Incentivou a cultura, grupos teatrais, coral e para tanto, viabilizou junto a  APP a construção do palco, hoje em dia ainda utilizado para as diversas manifestações cívicas e cênicas.

Idealizou a fundação do Grupo Folclórico em 17 de agostos de 1988 com objetivo de preservar e divulgar o folclore e a tradição alemã.

Empenhou-se na elaboração de todas as plantas para a construção do ginásio de esportes, sendo uma parte com apoio financeiro da APP.

Com apoio financeiro da APP providenciou um aterro de 2400 cargas de barro, onde atualmente está construído o ginásio de esportes.

Também com apoio da APP, durante seu mandato, foram realizadas muitas obras como construção de salas, duas áreas cobertas defronte o consultório odontológico, garagem para automóveis dos professores, rancho para as bicicletas dos alunos, muros, cercas, colocação de persianas em todas as salas, mobília para sala do diretor, auxiliar de direção, secretaria e sala dos professores.

Na sua gestão, Sr. Konrad, juntamente com sua equipe administrativa e pedagógica procurou trabalhar nesta filosofia:

 ¨Manter uma estrutura organizacional na Escola, para integrar todos os responsáveis pelo processo educativo, visando desenvolver as potencialidades, o espírito de pesquisa, o senso-crítico do educando, para sua integração sócio-política-cultural na sociedade¨.

No decorrer destes anos a comunidade de Itoupava Central foi se expandindo com a vinda de novas empresas como Weg Transformadores, Moore Formulários, Mega Transformadores exigindo assim transformações na própria estrutura da escola. Pois, constatamos que ao longo dos anos foram necessárias ampliações e aquisição de mais terrenos para construções de novas salas e o ginásio de esportes, sendo que a escola iniciou com apenas duas salas de aula em 1934.

O professor Ivo Ralf Bilaardt em 1991, assume a direção da escola. Encontrou muitas dificuldades para a construção do ginásio de esportes sendo que, até hoje, não está concluída.

No seu mandato, juntamente com o apoio da APP providenciou novos projetos para continuidade da construção do ginásio de esportes. Executando obras que ergueram a estrutura e colocação do telhado.

Em 26 de setembro de 1998 registramos o lançamento da pedra fundamental do ginásio de Esportes que após plebiscito na comunidade recebeu o nome de Ginásio de Esportes Bertha Pagel.

 As atividades escolares são também incrementadas com as feiras, resgate histórico, mostra verde, projetos de musicalização, fanfarra, banda folclórica e grupo de flauta. Promoveu incentivo às atividades esportivas e culturais, além da instalação de laboratório de ciências.

 O bairro recebe novas empresas como Vedax, Meias Loa, Christian Gray e uma variedade de lojas comerciais. Surge também a primeira agência bancária no bairro a Caixa Econômica Federal chamada Germânia, além da agência de Correio Itoupava.. Com isto, a escola sofre mais ampliações de salas de aula e outras dependências, contudo o espaço físico vai diminuindo e sendo tomado pela construção.  A Prefeitura Municipal de Blumenau, constrói em 17 de dezembro de 1994 o Caic - Escola Básica Municipal Wilhelm Theodor Schürmann para auxiliar no atendimento a demanda de matrículas desta região.

Em 1998 após 32 anos de sucessiva direção administrada por homens, Iodéte Modro vence a eleição para diretores, e em maio do mesmo ano toma posse. Para Iodéte as maiores dificuldades encontradas foram a falta de verba que inviabilizaram a realização de alguns projetos.

Com apoio financeiro da APP e prefeitura, deu continuidade às obras do ginásio de esportes, levantou parte das paredes, colocação de piso, construção de seis salas e depósito, conforme projeto. Ainda são necessárias várias obras para sua conclusão .

No seu mandato, continua a dar incentivos às atividades, como as feira gastronômica, resgate histórico, mostra verde, grupo folclórico, fanfarra, banda folclórica, grupo de flauta e a implantação da Informática Pedagógica entre outras atividades. Implanta o Projeto PROERD e introduz 5ª a 8ª série no turno vespertino.

Mais uma vez, reaparece a necessidade de aumentar o número das salas de aula.Assim  novas ampliações são realizadas como a construção de três salas para atendimento do pré-escolar e remanejamento de dependências, transferindo-se a secretaria e sala da direção para a entrada principal da escola.

Nos últimos 15 anos o bairro Itoupava Central expandiu-se muito também pela venda e criação de inúmeros loteamentos e a vinda constante de pessoas oriundas do estado vizinho Paraná e oeste catarinense. Ressurge a necessidade de mais uma escola no bairro.

Em 2002, a prefeitura se compromete com a construção de mais uma escola no bairro para auxiliar no atendimento da demanda de matrículas. Em 2003 alugou próximo a esta escola, uma casa, para atendimento às crianças de pré a quarta série.

 Em 2003 assume a direção a professora Cláudia Cristine Jahn. Na sua gestão dá incentivos e continuidade aos projetos já existentes, introduz o Projeto Unimed Vida, Projeto Dia de Estudo e Projeto Plures. Enfrentam dificuldades em viabilizar verbas para executar obras para construção de ambiente de biblioteca, auditório, refeitório e conclusão do ginásio de esportes.

Com apoio da APP e parceria da prefeitura realizou obras de manutenção e conservação do prédio escolar, como podemos destacar obras de reforma emergencial do telhado que cobre as salas do andar superior da escola, reforma do piso da sala de aula, reforma anual de todas as persianas, instalação de ventiladores em algumas salas e instalação de um bicicletário para proporcionar aos alunos maior segurança e organização.

Procura dinamizar e organizar o currículo escolar de maneira que promova a formação de cidadãos autônomos e críticos, capazes de integrar de maneira consciente na sociedade.

 

Em 01 de julho de 2004, foi inaugura a nova escola que recebeu o nome de Escola Básica Municipal Lore Sita Bollmann e atende alunos de pré a sétima série. A documentação escolar da nova escola ¨Lore Sita Bollmann¨ até a presente data, está sob a responsabilidade da direção desta unidade escolar devido aos trâmites para autorização de funcionamento da mesma.

 

Nestes 70 anos, a escola veio desempenhando o seu trabalho, ampliando sua estrutura física, promovendo o desenvolvimento pedagógico e cultural, contribuindo muito para os avanços da sociedade, se preocupando com o bem estar das crianças da região.

 

 

 

 

 

   

 

 

PERÍODO
PRESIDENTE
07/01/1934 Comunidade Escolar da Itoupava II
Arnoldo Jenichen
1948
Frederico Pagel
1951
Frederico Pagel
1953
NADA CONSTA
1959
Edmund Böhringer
1964
Edmund Böhringer
1965
Edmund Böhringer
1969
Felix Holler
1971
Felix Holler
1974
Daniel auler
1976
Daniel auler
1979
Daniel auler
1981
Daniel auler
1983
Daniel auler
1985
Antenor Cechinel
1987
Antenor Cechinel
1989
Antenor Cechinel
1991
Antenor Cechinel
1993
Mário Loewen
1995
Celso Althoff
1997
Celso Althoff
1999
Wilson Froehlich
2001
Wilson Froehlich
2003
Wilson Froehlich